Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Desvendando a Bíblia

Desvendando a Bíblia

O selo do Deus vivo

Todo país ao ser reconhecido deve possuir três elementos muito importantes: moeda, bandeira e selo.

“O selo é usado para tornar válido ou autêntico qualquer decreto, ou lei, que uma pessoa ou poder promulgue. O selo é usado em relação com alguma lei ou decreto que requer obediência, ou em documentos que terão valor legal ou que estarão sujeitos às disposições da lei. A idéia de lei é inseparável do selo.” (Urias Smith, Daniel e Apocalipse vol. 2, pág. 101).
“O selo é definido como um instrumento de selar; o que é "usado por indivíduos, corporações e estados, para fazer impressões em cera, sobre documentos escritos como uma evidência da sua autenticidade." A palavra original neste texto é definida: "Um selo, isto é, um anel com sinete, uma marca, estampa, sinal, penhor." O verbo significa: "Assegurar a alguém, certificá-lo; pôr um selo ou marca sobre alguma coisa em sinal de que é genuína ou aprovada; atestar, confirmar, estabelecer, distinguir por uma marca." Tendo por base a definição comparar Gênesis 17:11 com Romanos 4:11, e Apocalipse 7:3 com Ezequiel 9:4, e veremos que as palavras “sinal”, “selo” e “marca”, segundo são usadas na Bíblia são termos sinônimos. O selo de Deus referido em nosso texto há de ser aplicado aos servos de Deus. Neste caso não se trata de alguma marca literal impressa carne, mas de alguma instituição ou observância com referência especial a Deus, que servirá de "sinal de distinção" entre os adoradores de Deus e os que não são Seus servos, ainda que professem segui-Lo.” (Urias Smith, Daniel e Apocalipse vol. 2, pág. 100).
“Não devemos supor que nos decretos e leis de Deus, cuja obediência é obrigatória a todos homens, tenha de ser posto um selo literal, feito com instrumentos literais. Pela definição do termo e pelo fim para que o selo é usado, como já se demonstrou, temos de compreender como selo aquilo que, a rigor, dá validade e autenticidade a decretos e leis. No selo encontra-se o nome ou assinatura do poder legislador, expresso em termos que mostrem de que poder se trata, e seu direito para fazer leis e exigir obediência. Mesmo com um selo literal o nome deve sempre ser usado, segundo os textos já dados.
Na profecia de Isaías 8:20, lemos: "Liga o Testemunho, sela a Lei entre os Meus discípulos." Deve referir-se a uma obra de reavivar nas mentes dos discípulos algumas das exigências da Lei que foram desprezadas, ou pervertidas do seu verdadeiro significado. Na profecia, isto se chama o selar a Lei, ou restituir-lhe o selo, que havia sido tirado.”
Muitas pessoas mesmo lendo o texto citado, ainda duvida do que vem ser realmente o selo de Deus. É bom entender que não se irá selar uma carta com algo que não seja o selo. Se Deus manda selar a lei em algum lugar é porque essa lei é o selo.
O selo para ter valor deve ter o nome do legislador, seu cargo oficial, o título ou autoridade, mostrando quem é ele, a extensão do seu domínio e o seu direito de governar.
“Os três primeiros mandamentos mencionam a palavra “Deus”, mas por eles não podemos dizer bem a quem se referem, porque há multidões de objetos a que é aplicado este nome. Há "muitos deuses e muitos senhores".(1 Coríntios 8:5). Sem considerar agora o quarto mandamento, o quinto contém as palavras “Senhor” e “Deus”, mas não as define. E os outros cinco preceitos não contêm o nome de Deus. Só com a parte da Lei que examinamos seria impossível convencer de pecado o idólatra. O adorador de imagens podia dizer: "Este ídolo que está diante de mim é o meu deus; o seu nome é Deus, e estes são os seus preceitos." O adorador dos astros podia também dizer: "O Sol é o meu deus, e eu o adoro segundo esta Lei." Assim, sem o quarto mandamento o Decálogo é nulo e sem valor no que diz respeito a definir a adoração do verdadeiro Deus.”
“Mas acrescentemos agora o quarto mandamento, devolvamos à Lei este preceito, que tantos consideram descartado, e vejamos qual é a situação. Examinemos este mandamento, que contém a declaração: "Porque em seis dias fez o Senhor os céus e a terra, o mar, e tudo o que neles há", e vemos imediatamente que lendo os mandamentos dAquele que criou todas as coisas. O Sol não é, pois, o Deus do Decálogo. O verdadeiro Deus é Quem fez o Sol. Nenhum objeto do Céu ou da Terra é o Ser que aqui reclama obediência, porque o Deus desta Lei é o único que fez todas as coisas criadas. Temos agora uma arma contra a idolatria. Esta Lei não pode mais ser aplicada a falsos deuses, que "não fizeram os Céus e a Terra." (Jer. 10:11). O Autor desta Lei declarou Quem é Ele, a extensão do Seu domínio, e o Seu direito a governar, porque todo ser criado deve reconhecer imediatamente que Aquele que é o Criador de tudo, tem direito de exigir obediência de todas as Suas criaturas. Assim, com o quarto mandamento no seu lugar, esse maravilhoso documento, o Decálogo, o único documento entre os homens escrito pelo dedo de Deus tem uma assinatura, tem algo que o torna inteligível e autêntico; tem um selo. Mas sem o quarto mandamento a Lei é incompleta e carece de autoridade.”
“Nesta ordem de idéias é evidente que o quarto mandamento constitui o selo da Lei de Deus, ou o selo de Deus. As Escrituras acrescentam seu testemunho a esta conclusão.”
“Já vimos que na Bíblia os termos “sinal”, “selo” e “marca” são usados como sinônimos. O Senhor expressamente diz que o sábado é um sinal entre Ele e o Seu povo. "Certamente guardareis Meus sábados, porquanto isso é um sinal entre Mim e vós nas vossas gerações, para que saibais que Eu sou o Senhor que vos santifica." (Êxodo 31:13). O mesmo fato é de novo afirmado em Ezequiel 20:12, 20. Aqui o Senhor diz ao Seu povo que o fim para que deviam guardar o sábado era para que soubessem que Ele é o verdadeiro Deus. É como se o Senhor dissesse: "O sábado é um selo. Da Minha parte é o selo de Minha autoridade, o sinal de que tenho o direito de exigir obediência. Da vossa parte é um sinal de que Me tomais por vosso Deus."”
“Assim, o Senhor considera o quarto mandamento como um sinal entre Ele e Seu povo, ou o selo da Sua Lei para todos os tempos. Ao observar esse mandamento o crente demonstra que é adorador do Deus verdadeiro. Pelo mesmo mandamento, Deus Se dá a conhecer como nosso Governador legítimo, visto que é nosso Criador.” (Urias Smith, Daniel e Apocalipse vol. 2, pág. 106).
Antes de vir buscar Seus filhos, Deus pretende selá-los. Como está escrito: “Vi outro anjo que subia do nascente do sol, tendo o selo do Deus vivo, e clamou em grande voz aos quatro anjos, aqueles aos quais fora dado fazer dano à terra e ao mar, dizendo: Não danifiqueis nem a terra, nem o mar, nem as árvores, até selarmos na fronte os servos do nosso Deus.” (Apocalipse 7:3). E como já pudemos observar, a lei de Deus, mas especificamente o quarto mandamento dela (o sábado), constitui o selo com o qual Deus quer selar os seus escolhidos.
Existe a compreensão a respeito do selo de Deus por parte de outras escolas teológicas de que o selo de divino seja o Espírito Santo. Baseiam-se em Efésios 1:13, que diz: “.. em quem também vós, depois que ouvistes a palavra da verdade, o evangelho da vossa salvação, tendo nele também crido, fostes selados com o Santo Espírito da promessa; .. .”
Mesmo que o apóstolo Paulo apresente o Espírito Santo como sendo um selo, esse selo não poderá ser aquele mencionado no apocalipse, pois ele não traz as três características de um selo que são: nome do legislador, seu cargo oficial, o título ou autoridade, a extensão do seu domínio e o seu direito de governar. Teologicamente o selo mencionado por João no apocalipse é um selo escatológico, que é um símbolo de propriedade. Apenas aqueles que forem reconhecidos como propriedades de Deus serão protegidos no momento que os anjos fizerem danos à terra e ao mar.
Quanto ao selo do Espírito Santo mencionado por Paulo aos Efésios, ele é dado àqueles que crêem. Sabemos que crer não basta para sermos propriedade divina, pois até os demônios crêem e tremem. “Crês, tu, que Deus é um só? Fazes bem. Até os demônios crêem e tremem.” (Tiago 2:19). Tiago não disse fazer mau os que apenas crer. Ao contrário ele disse que quem crê faz bem, mas não é suficiente. Em outras palavras ser selado pelo Espírito Santo é muito bom, mas não basta, é necessário ser guiado por Ele todos os dias, pois só assim seremos propriedade divina e Satanás não terá domínio sobre nós.
É bom entender que o selo do apocalipse é conseqüência da permanência do selo do Espírito Santo em nossas vidas. Não basta sermos selados pelo Espírito Santo (crermos) hoje, é necessário crermos todos os dias até chegar a hora em que os anjos irão fazer danos a terra e ao mar.
Deus em sua palavra apresenta o sábado como sinal eterno por causa da criação. “Entre mim e os filhos de Israel é sinal para sempre; porque, em seis dias, fez o SENHOR os céus e a terra, e, ao sétimo dia, descansou, e tomou alento.” (Êxodo 31:17).
E quando esteve nesta terra, Jesus se apresentou como Senhor (dono) do sábado. Disse “Ele:”.. de sorte que o Filho do Homem é Senhor também do sábado.” (Marcos 2:28). E Ele deve ser o nosso modelo na observância do sábado, pois Ele guardava esse dia. “Indo para Nazaré, onde fora criado, entrou, num sábado, na sinagoga, segundo o seu costume, e levantou-se para ler.” (Lucas 4:16).
Além de Jesus, as mulheres que o seguia também guardavam o sábado do Senhor. Como está escrito: “As mulheres que tinham vindo da Galiléia com Jesus, seguindo, viram o túmulo e como o corpo fora ali depositado. Então, se retiraram para preparar aromas e bálsamos. E, no sábado, descansaram, segundo o mandamento.” (Lucas 23:55,56). Se Jesus tivesse mudado o dia de descanso do sábado para outro dia, com certeza teria dito para aquelas mulheres. Ou se mesmo pretendesse fazer isso depois de sua ressurreição, também teria feito. Se elas continuaram guardando o sábado, é porque ele continuava em vigor.
É interessante saber que na nova terra, ou seja, no paraíso, os servos de Deus guardarão também o sábado. Vejamos o que diz o profeta Isaías: “E será que, de uma Festa da Lua Nova à outra e de um sábado a outro, virá toda a carne a adorar perante mim, diz o SENHOR.” (Isaías 66:23).
Mas também haverá um selo inverso ao selo de Deus que será dado por outro poder. Esse selo será estudado na próxima lição.

 

 Referencias

SMITH, Urias. Daniel e Apocalipse vol. 2. Publicaciones Interamericanas, Mountains California, E.E. de N.A, 1949.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.