Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Desvendando a Bíblia

Desvendando a Bíblia

O dom do Espírito Santo

De acordo com a Bíblia o Espírito Santo é a terceira pessoa da divindade. Disse Jesus: “Ide, portanto, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo..” (S. Mateus 28:19). Ele (o Espírito Santo) não teria sido recomendado no batismo se não tivesse a mesma importância que as outras pessoas da divindade.

O profeta Isaías afirma ter visto o Senhor, ou seja, Deus assentado em um alto e sublime trono e sendo adorado por serafins (Isaias 6:1-9). No livro de atos o apóstolo Paulo chama ao ser citado por Isaías de Espírito Santo. (Atos 28:25). Assim se entende que o Espírito Santo é o próprio Deus. Todavia deve-se saber que a respeito da natureza de Deus existem coisas que não se entenderá plenamente nesta terra. Apenas no céu se terá a compreensão “total”. (Deuteronômio 29:29).
O Espírito Santo em todas as épocas esteve na terra. Ele teve parte ativa na criação tanto quanto o filho de Deus. Está escrito nas Escrituras: “No princípio, criou Deus os céus e a terra. A terra, porém, estava sem forma e vazia; havia trevas sobre a face do abismo, e o Espírito de Deus pairava por sobre as águas” (Gêneses 1:1, 2). É por isso que ao criar o homem Deus usou o verbo no plural quando diz: “Façamos o homem a nossa imagem a nossa semelhança” (Gêneses 1:26).
Na dispensação do novo testamento Jesus garantiu que o Espírito Santo consolaria a sua igreja (S. João 14:16) e teria as funções de:
a) S. João 16:8: convencer do pecado, justiça e juízo.
b) S. João 14:26: ensinar todas as coisas e fazer lembrar.
c) S. João 15:26: dar testemunho de Jesus.
d) S. João 16:13: guiar em toda a verdade.
O apóstolo Pedro quando pregou seu primeiro sermão chamou à presença do Espírito Santo no ser humano de dom. “Respondeu-lhes Pedro: Arrependei-vos, e cada um de vós seja batizado em nome de Jesus Cristo para remissão dos vossos pecados, e recebereis o dom do Espírito Santo” (Atos 2:38). Através do texto citado entende-se que, não se recebe o Espírito Santo por acaso. Ele é um dom, todavia Deus, o Pai está disposto a dar esse dom a todos os que com instância e verdadeiro desejo o buscarem. Disse Jesus: “Ora, se vós, que sois maus, sabeis dar boas dádivas aos vossos filhos, quanto mais o Pai celestial dará o Espírito Santo àqueles que lho pedirem?” (Lucas 11:13).
Como já foi visto o Espírito Santo não é concedido sem um fim, ou seja, sem objetivo. (I Coríntios 12:7). Todavia ninguém tem o Espírito Santo só porque diz possuir certas emoções. E como podemos saber se possuímos esse dom maravilhoso? São de Jesus as palavras: “Pelos seus frutos os conhecereis. Colhem-se, porventura, uvas dos espinheiros ou figos dos abrolhos?” (Mateus 7: 16). Portanto, a maneira mais clara de se identificar uma pessoa cheia do Espírito Santo é através dos seus frutos, ou seja, dos seus atos.
É importante entender que na vida cristão não se possui o Espírito Santo, mas Ele é quem nos possui.
Vejamos os principais frutos produzidos pelo cristão possuidor do dom do Espírito Santo. “Mas o fruto do Espírito é: amor, alegria, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fidelidade, mansidão, domínio próprio. Contra estas coisas não há lei” (Gálatas 5:22.23).
O apóstolo Paulo cita o amor genuíno como sendo o primeiro fruto produzido pela pessoa cheia do Espírito Santo. Ele prossegue dizendo: “Ainda que eu fale as línguas dos homens e dos anjos, se não tiver amor, serei como o bronze que soa ou como o címbalo que retine.” Ele conclui a sequencia de frutos mencionando o domínio próprio. Uma pessoa cheia do Espírito Santo além de possuir o amor verdadeiro, ela tem domínio, ou seja, controle de todas as suas emoções, inclusive das emoções boas.
Não se deve confundir o dom do Espírito Santo com os dons do Espírito Santo. O dom do Espírito Santo é o próprio Deus na vida do ser humano, enquanto que os dons do Espírito são consequencias do recebimento do dom maior.
Além de nos fazer produtores de frutos, o Espírito de Deus pretende também dar a todos os que o recebem: dons espirituais. Disse o apóstolo Paulo: “Por isso, diz: Quando ele subiu às alturas, levou cativo o cativeiro e concedeu dons aos homens.” “E ele mesmo concedeu uns para apóstolos, outros para profetas, outros para evangelistas e outros para pastores e mestres, com vistas ao aperfeiçoamento dos santos para o desempenho do seu serviço, para a edificação do corpo de Cristo, Até que todos cheguemos à unidade da fé e do pleno conhecimento do Filho de Deus, à perfeita varonilidade, à medida da estatura da plenitude de Cristo,..” (Efésios 4:8,11,12,13). Todos esses dons visam aperfeiçoar os santos e para a edificação do corpo de Cristo que nesse caso é a igreja. É importante saber que “os dons espirituais não são características pessoais. Eles vêm diretamente de Deus, escolhidos por Ele especificamente para cada pessoa. Deus espera que cuidemos desses dons e que eles sejam usados para os fins planejados por Ele.” (Adventist world pág. 14). “Nenhum dom é maior que o outro e Deus espera que todos eles sejam utilizados” (Daisy Hall, 2015).
Muitas das vezes se tem confundido o dom do Espírito Santo com o batismo. Para se compreender esse assunto é importante saber diferenciar as diferentes formas do Espírito Santo se manifestar.
É importante entender que independentemente do tipo de vida que o homem tenha Deus através de seu Espírito de alguma maneira atua nele. Se não fosse assim, aqueles que morrerem sem ter conhecido toda a verdade poderão se justificar dizendo que não foram advertidos.
Na verdade o homem depois de ter consciência, de forma direta ou não, ele já tem a influência do Espírito Santo. Deus pode atuar na mente até mesmo de um criminoso na hora de cometer um crime, todavia ele é livre para rejeitar a influência divina, como na maioria das vezes acontecem. No entanto esse tipo de influencia espiritual não constitui o dom mencionado por Pedro. O dom do Espírito Santo é dado no momento que o homem aceita ser guiado por Deus, ou seja, quando ele se arrepende verdadeiramente de seus pecados. “Respondeu-lhes Pedro: Arrependei-vos, e cada um de vós seja batizado em nome de Jesus Cristo para remissão dos vossos pecados, e recebereis o dom do Espírito Santo” (Atos 2:38).
Não se deve confundir a influência do Espírito Santo onde todos os homens a têm, com o dom do Espírito Santo. Para se ter a influencia do Espírito basta se ter consciência, mas para ter o dom se faz necessário se arrepender e crer.“Seguindo eles caminho fora, chegando a certo lugar onde havia água, disse o eunuco: Eis aqui água; que impede que seja eu batizado? Filipe respondeu: É lícito, se crês de todo o coração. E, respondendo ele, disse: Creio que Jesus Cristo é o Filho de Deus” (Atos 8:36, 37).
A esse tipo de atuação do Espírito Santo em certo momento o apóstolo Paulo chamou de selo do Espírito Santo. Diz ele: “..em quem também vós, depois que ouvistes a palavra da verdade, o evangelho da vossa salvação, tendo nele também crido, fostes selados com o Santo Espírito da promessa;..” (Efésios 1:13). Esse selo é uma maneira de Deus identificar perante o mundo os Seus filhos. Mas não se deve confundir o selo do Espírito Santo com o selo escatológico que será posto nos filhos de Deus no final dos tempos. Para entender o significado do selo escatológico o leitor deverá estudar a lição: o selo de Deus.
Deve-se entender uma coisa: todos os que serão salvos são filhos de Deus, mas nem todos os que dizem serem filhos serão salvos. Para ser chamado de filho de Deus basta crer, mas nem todos os que crêem serão salvos. São do apóstolo Tiago as palavras: “Crês, tu, que Deus é um só? Fazes bem. Até os demônios crêem e tremem” (Tiago 2:19). Isso nos faz entender que nem todos os que têm o dom do Espírito Santo serão salvos, mas todos os salvos terão esse dom maravilhoso.
Quanto ao batismo do Espírito Santo, ele é a experiência mais estupenda que o ser humano pode experimentar. É uma obra individual. Essa experiência foi experimentada pela primeira vez depois que Jesus voltou para o céu no pentecostes. Ela tem tido variadas interpretações por parte de escolas teológicas diferentes, mas deixemos que a própria Escritura nos faça entendê-la melhor.
É importante entender que os discípulos não receberam o Espírito Santo no pentecostes como muitos pensam. Na verdade eles já O tinham. Eles verdadeiramente receberam o Espírito Santo quando creram. “Quem crer em mim, como diz a Escritura, do seu interior fluirão rios de água viva. Isto ele disse com respeito ao Espírito que haviam de receber os que nele cressem; pois o Espírito até aquele momento não fora dado, porque Jesus não havia sido ainda glorificado” (João 7:38,39). Os discípulos receberam o Espírito Santo quando Jesus foi glorificado, pois foi aí que eles “creram”.
“Então, regressaram os setenta, possuídos de alegria, dizendo: Senhor, os próprios demônios se nos submetem pelo teu nome! Não obstante, alegrai-vos, não porque os espíritos se vos submetem, e sim porque o vosso nome está arrolado nos céus” (Lucas 10:17,20). Se os nomes dos discípulos estavam arrolados nos céus é porque eles já tinham recebido o Espírito Santo, ou seja, já tinham crido. Então eles já tinham o Santo Espírito, pois Deus não irá por nos livros dos céus os nomes de pessoas descrentes.
É importante entender que ter o Espírito Santo não significa ser batizado por Ele. Como vimos, os discípulos antes do pentecostes tinham o Espírito Santo, mas não eram ainda batizados por Ele. Então o que constitui o batismo do Espírito Santo? Vejamos os que dizem as escrituras: “Ao cumprir-se o dia de Pentecostes, estavam todos reunidos no mesmo lugar; de repente, veio do céu um som, como de um vento impetuoso, e encheu toda a casa onde estavam assentados. E apareceram, distribuídas entre eles, línguas, como de fogo, e pousou uma sobre cada um deles. Todos ficaram cheios do Espírito Santo e passaram a falar em outras línguas, segundo o Espírito lhes concedia que falassem” (Atos 2:1 – 4).
Observe o texto quando diz que todos ficaram cheios do Espírito Santo. Entendam que antes disso eles tinham o Espírito Santo, pois eles creram quando Jesus foi glorificado, todavia Deus queria mais que isso, Ele queria que seus discípulos fossem cheios do Espírito Santo. Isso só foi possível no pentecostes. O texto nos faz entender que o batismo do Espírito Santo é o recebimento dEle em sua plenitude. Essa experiência nunca aconteceu na dispensação do velho testamento. O Espírito de Deus já tinha se manifestado de variadas formas, mas nunca em sua plenitude.
Mas, por que Deus quis dar seu Espírito de forma tão ampla como em forma de batismo? Mesmo que os discípulos já fossem testemunhas, Jesus queria fazer deles discípulos plenos. E isso só seria possível através da plenitude do Espírito. São de Jesus as palavras: “.. mas recebereis poder, ao descer sobre vós o Espírito Santo, e sereis minhas testemunhas tanto em Jerusalém como em toda a Judéia e Samaria e até aos confins da terra ..”
Então por que Jesus se referiu a vinda do Espírito Santo como sendo coisa do futuro se os discípulos já tinham recebido? Na verdade o que eles possuíam do Espírito ainda era tão pouco que Jesus preferiu considerá-lo apenas quando receberam a plenitude do mesmo.
Como já foi citado o batismo do Espírito Santo é uma obra individual, mas no pentecostes o Poder foi derramado sobre todos os que estavam reunidos no cenáculo. Foi uma obra miracular em massa.
E o apóstolo Pedro para justificar o acontecido explicou que o milagre era cumprimento de uma profecia proferida pelo profeta Joel. O profeta citado falou que nos últimos dias Deus derramaria seu Espírito em forma de chuva Serôdia e Temporã (Joel 2:23).
Uma chuva não cai apenas sobre uma planta, mas sobre toda a plantação ou parte dela. O profeta queria dizer que o Espírito não seria derramado apenas sobre um, mas sobre muitos. E foi isso o que aconteceu no pentecostes. Não fora batizado apenas um discípulo, mas todos os que estavam reunidos.
Essa profecia se cumpriu de forma parcial no pentecostes, pois Deus ainda irá derramar da plenitude de seu Espírito nos últimos dias em forma de chuva assim como fez com os discípulos.
Deus aconselha aos crentes de todas as épocas a buscarem o Espírito Santo de Deus como os discípulos o fizeram no pentecostes.
É bem verdade que se você creu, você já tem o Espírito Santo, mas pode ser que a quantidade do Espírito que há em você não seja o bastante. É por isso que Deus nos aconselha a ser cheios do Espírito. “E não vos embriagueis com vinho, no qual há dissolução, mas enchei-vos do Espírito, ..” (Efésios 5:18).
A mensagem final de Deus para você hoje é: “Quando te desviares para a direita e quando te desviares para a esquerda, os teus ouvidos ouvirão atrás de ti uma palavra, dizendo: Este é o caminho, andai por ele.” (Isaías 30:21).

 

 

 

 

2 comentários

Comentar post